4 de janeiro de 2014

Satisfação


Por Hebert dos Santos Gonçalves, Itapeva/SP

LEITURA BÍBLICA
"Louvai ao SENHOR. Bem-aventurado o homem que teme ao SENHOR, que em seus mandamentos tem grande prazer.
A sua semente será poderosa na terra; a geração dos retos será abençoada.
Prosperidade e riquezas haverá na sua casa, e a sua justiça permanece para sempre.
Aos justos nasce luz nas trevas; ele é piedoso, misericordioso e justo.
O homem bom se compadece, e empresta; disporá as suas coisas com juízo;
Porque nunca será abalado; o justo estará em memória eterna.
Não temerá maus rumores; o seu coração está firme, confiando no Senhor.
O seu coração está bem confirmado, ele não temerá, até que veja o seu desejo sobre os seus inimigos. Ele espalhou, deu aos necessitados; a sua justiça permanece para sempre, e a sua força se exaltará em glória. O ímpio o verá, e se entristecerá; rangerá os dentes, e se consumirá; o desejo dos ímpios perecerá." (Salmo 112)

"Tu me farás conhecer a vereda da vida, 
a alegria plena da tua presença, 
eterno prazer à tua direita" (Sl 16.11)

Lembro-me da seguinte afirmação em um cântico: “Satisfação é ter a Cristo. Não há melhor prazer já visto: sou de Jesus e agora eu sinto satisfação sem fim!” É uma grande verdade: ao conhecer Cristo, encontramos a real satisfação. A alegria que Deus nos dá é incomparável. Nosso texto base começa dizendo isso: “Aleluia! Como é feliz o homem que teme o Senhor e tem grande prazer em seus mandamentos!” Agostinho narra esta experiência em sua vida dizendo: “Como foi maravilhoso eu ficar repentinamente livre daquelas alegrias infrutíferas que antes eu tinha medo de perder!... Tu as expulsaste de mim; tu, que és a verdadeira e a soberana alegria. Tu as expulsaste de mim e ocupaste o lugar delas... Ó Senhor, meu Deus, minha Luz, minha Riqueza, minha Salvação”.

Sim, quando experimentamos a verdadeira alegria no Senhor, Deus abre os nossos olhos e mostra como é miserável o pecado que nos atrai. Passamos a perceber o vazio das muitas paixões e como a busca de prazer fora de Deus é uma constante decepção. O final do Salmo 112 diz: “O desejo dos ímpios se frustrará”.

Conviria refletir sinceramente se realmente temos o nosso prazer nos valores eternos da lei do Senhor, se é realmente ali que buscamos nossa satisfação. Será que nosso prazer está em anunciar as obras que Deus tem realizado em nossa vida? Não estaríamos colocando nossa esperança na incerteza das riquezas deste mundo, em vez de nos firmarmos em Deus, que tudo provê ricamente para a nossa satisfação?

John Piper faz uma pergunta: “Não estaríamos escravizados aos prazeres deste mundo, de modo que, apesar de toda a nossa conversa sobre a glória de Deus, amamos a televisão, a comida, o sono, o sexo, o dinheiro e o louvor humano tal como outras pessoas os amam?” Sejamos sóbrios e não troquemos as delícias perpétuas por prazeres efêmeros.



Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores

0 comentários:

 
Powered by Blogger