18 de fevereiro de 2014

O mensageiro


Por Manoel de Jesus The, São Paulo/SP

LEITURA BÍBLICA
"Portanto, convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas. Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição,
Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;
Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade?" (Hebreus 2:1-4)

"Que motivos você teria para rejeitar o amor do seu Criador?"

“Depois de o início da carta aos Hebreus dizer que Deus falara no passado aos homens por meio de diversos mensageiros, o autor diz que ele transmitiu sua mensagem definitiva a nós por meio do seu Filho, Jesus Cristo. 

No capitulo 2 temos a continuidade dessa afirmação, pois o escritor quer fortalecer a importância que devemos dar ao que foi dito por Jesus. Há no texto uma comparação entre os outros mensageiros já usados por Deus e o seu Filho. 

Se Deus prestigiou a mensagem de outros enviados dele (anjos), como não vai prestigiar a mensagem do seu Filho? Vejamos então que mensagem foi essa trazida pelo Filho. Foi o anúncio “de salvação”, ou seja, da reconciliação com Deus que nos é oferecida. Essa mensagem foi confirmada por testemunhas oculares, por sinais e maravilhas realizados por elas (os apóstolos) e a promessa dada pelo Filho de que o Espírito Santo lhes seria concedido, também confirmada pelas realizações dos apóstolos.

Diz o texto que os ouvintes que desprezaram a mensagem dos anjos foram punidos. Agora nos cabe a pergunta: o que acontecerá com os que desprezam a mensagem de salvação trazida pelo Filho? O apóstolo Paulo fornece em Romanos 1.18-32 uma descrição bastante drástica do que ocorre nesse caso. 

"Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;
Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.
Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.
Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;
Estando cheios de toda a iniqüidade, fornicação, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; Os quais, conhecendo o juízo de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem." (Romanos 1:18-32)

Esses versos de Romanos descrevem com realismo o que vemos em programas de TV, nos noticiários dos meios de comunicação, nos jornais, em revistas e nas conversas que ouvimos de nossos contemporâneos. Paulo nos diz que esses fatos são o cumprimento da punição prometida por Deus aos que desprezam a mensagem da salvação. 

Se temos a mensagem e a prova do que acontecerá se ela for desprezada, o que nos resta fazer?  Resposta: aceitá-la agora para nós e agradecer por esse tão grande presente de Deus!”


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/18-2-2014;

17 de fevereiro de 2014

Fortes


Por Vanessa Weiler Ribas, Francisco Beltrão/PR

LEITURA BÍBLICA
"Mas nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos, e não agradar a nós mesmos. Portanto cada um de nós agrade ao seu próximo no que é bom para edificação. Porque também Cristo não agradou a si mesmo, mas, como está escrito: Sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam. Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança. Ora, o Deus de paciência e consolação vos conceda o mesmo sentimento uns para com os outros, segundo Cristo Jesus, Para que concordes, a uma boca, glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto recebei-vos uns aos outros, como também Cristo nos recebeu para glória de Deus." (Romanos 15:1-7)

"Ser forte não é impor seu direito – é conseguir abrir mão dele em favor do próximo."

“Podemos ter um corpo forte por meio de exercícios físicos e uma alimentação saudável. Na vida espiritual também é necessário que estejamos sempre nos “alimentando” bem, com a Palavra de Deus, e exercitando aquilo que aprendemos com ela pela prática de seus princípios. Quem não cresce em sua vida espiritual acaba ficando fraco. Nossa “força” não terá tanto a ver com o tempo de vida com Cristo ou com nossa idade – vai depender de nossa disposição em aprender.

Não estamos sozinhos neste processo: dependemos uns dos outros para crescer! Precisamos da ajuda dos outros cristãos. Além disso, quando estivermos fortes, não devemos esquecer os que ainda estão crescendo. No texto de hoje, Paulo ensina a necessidade de aceitar os mais fracos, lutar pela unidade e agradá-los. Nem Cristo – o mais forte de todos por ser Deus – agradou a si mesmo. 

Sigamos seu exemplo! Em geral, os fracos na fé são aquelas pessoas que causam problemas e podem até incomodar os fortes com seus questionamentos ou com sua falta de maturidade na vida cotidiana. Porém, é preciso que os fortes se lembrem de que já foram fracos! 

Não devem julgar os outros, apontando suas fraquezas – isso só vai piorar a situação. Além disso, devem proteger e ajudar os mais fracos. É preciso facilitar o aprendizado cristão ao invés de dificultá-lo. Isso é feito quando os fortes deixam de impor regras que não estão na Bíblia e, para beneficiar o fraco, até abrem mão de algo que sua consciência permite fazer. Pode até parecer injusto, mas é uma atitude de amor. 

Sua vida não deve causar escândalo àquele que ainda não compreendeu algumas verdades bíblicas. Não podemos cobrar maturidade de quem não a tem – é como esperar que uma criança tenha atitudes de adulto. Se o fraco na fé não age como Jesus, o forte deve agir!”


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/17-2-2014;

10 de fevereiro de 2014

Quem é Jesus


Por Ingelid Gundt, Nova Ramada/RS

LEITURA BÍBLICA
"E saiu Jesus, e os seus discípulos, para as aldeias de Cesaréia de Filipe; e no caminho perguntou aos seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens que eu sou?
E eles responderam: João o Batista; e outros: Elias; mas outros: Um dos profetas.
E ele lhes disse: Mas vós, quem dizeis que eu sou? E, respondendo Pedro, lhe disse: Tu és o Cristo." (Marcos 8:27-29)

"Se Jesus é para você o que a Bíblia afirma, sua vida precisa comprová-lo."

“Não há como negar a vida e a história de Jesus Cristo como homem. Muitos podem não acreditar nele como Filho de Deus, mas não podem negar que ele de fato existiu. As marcas e exemplos que ele deixou enquanto esteve aqui na terra são incontestáveis. 

Ele dividiu a história entre antes e depois de Cristo. No mundo corporativo ele é visto como um ótimo modelo de líder; para algumas religiões, é um profeta que recebeu uma iluminação Especial. Diz-se muita coisa sobre Jesus, mas o que interessa mesmo é o que ele significa em sua vida e se ele é para você o que a Bíblia afirma. Quando Jesus esteve na terra, faziam-se muitos comentários a seu respeito. 

As pessoas especulavam sobre quem ele seria e assim surgiu de tudo um pouco. Quando os discípulos foram questionados, Pedro respondeu o que está no versículo em destaque. Ele sabia quem era Jesus realmente e por isso não precisava ficar imaginando. Não basta apenas achar que Jesus foi um grande homem, profeta de Deus; é preciso saber que ele é de fato o Filho de Deus, enviado para morrer em nosso lugar e o único caminho para chegarmos a Deus.

Mas como será que Pedro soube quem ele era? Porque Deus revelou isso a ele (Mt 16.17) e também por causa de sua convivência com o Mestre. Ele caminhava com Jesus, ouvia seus ensinamentos e via seus milagres. Sua convicção vinha da experiência com Jesus. 

Hoje muitos afirmam saber que Jesus é o Filho de Deus porque alguém lhes contou. Mas não basta saber, é necessário ter uma experiência com ele e descobrir por si mesmo que ele realmente é quem afirma ser. Quem é Jesus para você? É apenas um homem exemplar ou é aquele que realmente faz diferença na sua vida? Crer que ele é o Filho de Deus significa entregar sua vida por completo aos cuidados dele e crer nele, para experimentar vida nova agora e eterna com ele no céu.”


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/10-2-2014;

9 de fevereiro de 2014

Vontade de Deus


Por Claiton André Kunz, Ijuí/RS

LEITURA BÍBLICA
"Chegaram, então, seus irmãos e sua mãe; e, estando fora, mandaram-no chamar.
E a multidão estava assentada ao redor dele, e disseram-lhe: Eis que tua mãe e teus irmãos te procuram, e estão lá fora. E ele lhes respondeu, dizendo: Quem é minha mãe e meus irmãos? E, olhando em redor para os que estavam assentados junto dele, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Porquanto, qualquer que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe." (Marcos 3:31-35)

"Quem obedece a Deus faz parte de sua família. "


“No texto de hoje, Jesus aproveita a chegada de seus familiares para ensinar aos seus seguidores uma importante lição. Para fazer parte de sua família, não é preciso ter parentesco de sangue: deve ocorrer um nascimento espiritual. Quando Jesus afirma “aqui estão minha mãe e meus irmãos”, declara que são os seus discípulos que formam sua verdadeira família.

A expressão “quem faz...” (v 35) demonstra que todos – pretos, brancos, vermelhos, marrons e amarelos, homens e mulheres, velhos e jovens, ricos e pobres, presos e livres, cultos e iletrados, judeus e gentios – podem ser incluídos na graça de Deus. É um exemplo interessante de deliberada “linguagem inclusiva”. 

Mas, antes que surja qualquer ideia de inclusão ilimitada, é preciso salientar que o mesmo versículo traz uma condição: “Quem faz a vontade de Deus...”. Em vez de incluir todos que estão “ao seu redor” (v 32), a afirmação de Jesus parece limitar os que são qualificados como sua família àqueles que ouvem e fazem o que Deus deseja. 

O propósito de Jesus não era menosprezar seus familiares, mas demonstrar pelo contraste o significado do verdadeiro laço familiar. Jesus não tratou ninguém com falta de amor – nem mesmo os seus inimigos – muito menos iria fazê-lo com seus irmãos e com sua mãe. A mesma oferta feita a todos que estavam ao seu redor foi estendida também àqueles com quem dividia os laços sanguíneos. De fato, vários dos seus familiares tornaram-se seus discípulos, sendo obedientes a Deus.

Mas lembre-se que ninguém é capaz de “fazer a vontade de Deus” por si só, a não ser somente pelo poder e pela graça soberana de Deus. Você já pode se considerar membro da família de Jesus? Pode afirmar que “faz a vontade de Deus”


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/9-2-2014;

8 de fevereiro de 2014

Passo a passo


Por Roland Körber, São Paulo/SP

LEITURA BÍBLICA
"No oitavo mês do segundo ano de Dario veio a palavra do SENHOR ao profeta Zacarias, filho de Baraquias, filho de Ido, dizendo: O Senhor se irou fortemente contra vossos pais.
Portanto dize-lhes: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Tornai-vos para mim, diz o Senhor dos Exércitos, e eu me tornarei para vós, diz o Senhor dos Exércitos.
E não sejais como vossos pais, aos quais clamavam os primeiros profetas, dizendo: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Convertei-vos agora dos vossos maus caminhos e das vossas más obras; mas não ouviram, nem me escutaram, diz o Senhor.
Vossos pais, onde estão? E os profetas, viverão eles para sempre?
Contudo as minhas palavras e os meus estatutos, que eu ordenei aos profetas, meus servos, não alcançaram a vossos pais? E eles voltaram, e disseram: Assim como o Senhor dos Exércitos fez tenção de nos tratar, segundo os nossos caminhos, e segundo as nossas obras, assim ele nos tratou.
Aos vinte e quatro dias do mês undécimo (que é o mês de Sebate), no segundo ano de Dario, veio a palavra do Senhor ao profeta Zacarias, filho de Baraquias, filho de Ido, dizendo: Olhei de noite, e vi um homem montado num cavalo vermelho; e ele estava parado entre as murtas que estavam na baixada; e atrás dele estavam cavalos vermelhos, malhados e brancos.
E eu disse: Senhor meu, quem são estes? E disse-me o anjo que falava comigo: Eu te mostrarei quem são estes. Então respondeu o homem que estava entre as murtas, e disse: Estes são os que o Senhor tem enviado para percorrerem a terra.
E eles responderam ao anjo do Senhor, que estava entre as murtas, e disseram: Nós já percorremos a terra, e eis que toda a terra está tranquila e quieta.
Então o anjo do Senhor respondeu, e disse: Ó Senhor dos Exércitos, até quando não terás compaixão de Jerusalém, e das cidades de Judá, contra as quais estiveste irado estes setenta anos?
E respondeu o Senhor ao anjo, que falava comigo, com palavras boas, palavras consoladoras. E o anjo que falava comigo disse-me: Clama, dizendo: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Com grande zelo estou zelando por Jerusalém e por Sião.
E com grande indignação estou irado contra os gentios em descanso; porque eu estava pouco indignado, mas eles agravaram o mal.
Portanto, assim diz o Senhor: Voltei-me para Jerusalém com misericórdia; nela será edificada a minha casa, diz o Senhor dos Exércitos, e o cordel será estendido sobre Jerusalém:
Clama outra vez, dizendo: Assim diz o Senhor dos Exércitos: As minhas cidades ainda aumentarão e prosperarão; porque o Senhor ainda consolará a Sião e ainda escolherá a Jerusalém." (Zacarias 1:1-17)

"Mais que a rapidez e a quantidade dos nossos passos, importa que estes nos aproximem de Deus."


“Zacarias foi um dos mensageiros que Deus enviou aos israelitas que moravam em Judá. Estes, porém, afastaram-se do seu propósito de obedecer ao Senhor, razão pela qual ele teve de discipliná-los, exilando-os na Babilônia. Ali viveram muitos anos, sempre esperando poder voltar à sua terra, para levar uma vida normal como nação. 

Zacarias estava entre os que retornaram e transmitiu ao povo as mensagens recebidas de Deus. Muitas se baseiam em visões difíceis de entender, até para o próprio profeta, que precisou de explicações.

Quando nós as lemos hoje, então, após mais de 2.500 anos e vivendo em um mundo totalmente diferente, é normal não entendermos o que teriam para dizer a nós. E se tentarmos interpretar todas aquelas imagens que Zacarias viu, realmente o risco de cometer tolices é grande. 
No entanto, este início de livro traz informações básicas que, mesmo sem entendermos os detalhes, são muito úteis.

Inicialmente, ele censura seu povo por ter provocado, com sua desobediência, a ira de Deus, o que já poderá soar bem familiar para cada um de nós. Em seguida, convida o povo a se arrepender e registra que isso aconteceu. 

Seria também o nosso caso? Deveria ser. A partir daí começa uma longa exposição do que Deus faria para restabelecer seu povo arrependido. Para nós: desde a vinda de Jesus, a condição de povo de Deus se estendeu a todos os que confiam sua vida a ele, não só aos israelitas!

Tudo isso ainda não mudou nada na situação em si, mas indica que Deus não está parado – ele adverte e disciplina e, quando respondemos, nos restaura. Assim, seu recado para nós é: mesmo que nada pareça acontecer, o terreno para sua restauração está sendo preparado (o capítulo 2 descreve a medição da área de Jerusalém, preparando a obra). Leva tempo, mas Deus trabalha passo a passo. A nós cabe confiar nele e acompanhá-lo.


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/8-2-2014;

7 de fevereiro de 2014

Nome


Por Mario Miki, Curitiba/PR

LEITURA BÍBLICA
"E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe.
E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia.
E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima. E vendo o Senhor que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés. Respondeu ele: Eis-me aqui.
E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa. Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus.
E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores.
Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.
E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito. Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?
E disse: Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus neste monte.
Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi?
E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.
E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O Senhor Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração.
Vai, e ajunta os anciãos de Israel e dize-lhes: O Senhor Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, me apareceu, dizendo: Certamente vos tenho visitado e visto o que vos é feito no Egito. Portanto eu disse: Far-vos-ei subir da aflição do Egito à terra do cananeu, do heteu, do amorreu, do perizeu, do heveu e do jebuseu, a uma terra que mana leite e mel.." (Êxodo 3:1-5)

"O nome de Deus é tão santo que não deve ser invocado por qualquer motivo."


“Há mais coisa que poderíamos dizer sobre o nome de Deus do que caberia nesta pequena meditação. Por isso, queremos destacar aqui a santidade do nome de Deus. Na leitura bíblica que fundamenta nossa meditação, Moisés é chamado para libertar o povo de Israel da escravidão entre os egípcios. Diante disso, ele quer saber como explicar aos israelitas quem era esse Deus que ele apresentaria como seu mandatário. Então Deus se identifica como o “Eu Sou”, aquele que é eterno e absoluto. Ele usa o passado do povo para se apresentar: assim como se manifestara aos antepassados – Abraão, Isaque e Jacó – agora se mostrava a todo o povo.

Para nós, o nome serve como identificação. Nem sempre damos importância ao significado em si. No pensamento hebraico, no entanto, o nome está intimamente ligado à pessoa e pode indicar até mesmo o seu caráter. Por isso, ao responder a Moisés, Deus não apenas lhe deu uma identificação, mas uma descrição de sua natureza: “Eu Sou”. Não era necessário dizer mais nada. Esse nome é pleno, eterno, único e santo. O nome de Deus é tão especial que a Bíblia adverte até mesmo contra invocá-lo por qualquer motivo. Tal é a seriedade do nome de Deus que ele mesmo disse: “Não tomarás em vão o nome do Senhor, o teu Deus, pois o Senhor não deixará impune quem tomar o seu nome em vão” (Êx 20.7).

Mesmo assim, infelizmente existem pessoas que banalizam o nome de Deus e o evocam por motivos fúteis, dizendo: “Deus do céu”, “meu Deus” e por aí vai. Além disso, há pessoas que, sem pensar, afirmam: “juro por Deus...”, quando na verdade não estão nem considerando a existência e o poder de Deus. E você? Em que situações você invoca o nome de Deus? Você o faz realmente pensando nele, ou de forma automática e até leviana? Não fale de Deus ou com Deus se não estiver sendo sincero. Por outro lado, se esse for realmente o seu desejo, fale com Deus à vontade: ele está sempre atento para nos ouvir.


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/7-2-2014;

6 de fevereiro de 2014

Conselho de sogra


Por Vanderlei e Aline Schach, Ijuí/RS

LEITURA BÍBLICA
"E disse-lhe Noemi, sua sogra: Minha filha, não hei de buscar descanso, para que fiques bem? Ora, pois, não é Boaz, com cujas moças estiveste, de nossa parentela? Eis que esta noite padejará a cevada na eira. Lava-te, pois, e unge-te, e veste os teus vestidos, e desce à eira; porém não te dês a conhecer ao homem, até que tenha acabado de comer e beber.
E há de ser que, quando ele se deitar, notarás o lugar em que se deitar; então entrarás, e descobrir-lhe-ás os pés, e te deitarás, e ele te fará saber o que deves fazer.
E ela lhe disse: Tudo quanto me disseres, farei." (Rute 3:1-5)

"Conselhos de familiares merecem atenção, venham como vierem."

“Normalmente as pessoas fazem muitas piadas sobre as sogras, em geral depreciativas. Talvez até existam sogras ruins que por vezes atrapalham a vida das noras e dos genros. Mas seria muito infeliz dizer que todas são assim. Conheço muitas sogras que são excelentes. Minha própria sogra é uma verdadeira mãe para mim. Noemi era a sogra de Rute, e também ela era como uma mãe para sua nora. Note no texto de leitura bíblica sua preocupação com um futuro seguro e feliz para ela. Ambas eram viúvas: tanto Noemi como Rute. Rute, a nora, havia declarado seu amor pela sogra já no capítulo 1 (versículos 16 e 17: “Não insistas comigo que te deixe e que não mais te acompanhe. Aonde fores irei, onde ficares ficarei! O teu povo será o meu povo e o teu Deus será o meu Deus! Onde morreres morrerei, e ali serei sepultada. Que o Senhor me castigue com todo o rigor se outra coisa que não a morte me separar de ti!”).

Enfim, nora e sogra se amavam, respeitavam, honravam. Uma queria o bem da outra. E na continuidade da história vemos que não foi somente por alguns momentos, mas uma atitude duradoura! O conselho de Noemi ajudou Rute a conseguir encaminhar seu futuro. Rute atendeu ao conselho da sogra e o final feliz aconteceu! É perfeitamente possível haver união entre nora e sogra. Cada uma deve buscar fazer a sua parte para o bem geral da família.

Todos nós queremos ter um final feliz e ninguém quer passar por momentos difíceis, mas é impossível viver sem ter nenhum problema para resolver. Então, um bom conselho é investir na união da família, ouvir os conselhos dos mais experientes e externar o amor do coração em atitudes práticas pelos familiares!


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/6-2-2014;

5 de fevereiro de 2014

A Deus o que é de Deus


Por Manoel Nerivaldo Lopes, João Pessoa/PB

LEITURA BÍBLICA
"Então, retirando-se os fariseus, consultaram entre si como o surpreenderiam nalguma palavra; E enviaram-lhe os seus discípulos, com os herodianos, dizendo: Mestre, bem sabemos que és verdadeiro, e ensinas o caminho de Deus segundo a verdade, e de ninguém se te dá, porque não olhas a aparência dos homens. Dize-nos, pois, que te parece? É lícito pagar o tributo a César, ou não? Jesus, porém, conhecendo a sua malícia, disse: Por que me experimentais, hipócritas? Mostrai-me a moeda do tributo. E eles lhe apresentaram um dinheiro. E ele diz-lhes: De quem é esta efígie e esta inscrição? Dizem-lhe eles: De César. Então ele lhes disse: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. E eles, ouvindo isto, maravilharam-se, e, deixando-o, se retiraram." (Mateus 22:15-22)

"Tributemos ao Senhor a glória devida ao seu nome."


“É bastante conhecida a passagem bíblica da nossa leitura de hoje. Os inimigos de Jesus planejaram uma armadilha para incriminá-lo ao perguntar- lhe se era justo pagar tributo a César. Se a resposta de Jesus fosse “sim”, seria acusado de ser colaborador dos romanos. Se respondesse “não”, seria acusado de se rebelar contra a autoridade romana. A reação de Jesus está descrita na leitura bíblica e sua conclusão é a do versículo em destaque. Os homens, admirados, retiraram-se. 

Como cidadãos, temos direitos e deveres perante o governo. Cumprimos nossas obrigações, inclusive pagando os impostos. E exigimos os nossos direitos garantidos pelas leis. Damos, pois, a César o que é de César. E como tem sido nosso relacionamento com Deus? Com certeza recorremos a ele nas horas mais difíceis, quando necessitamos de saúde, proteção, auxílio, bênçãos financeiras, etc.

Ele passa a ser nosso médico, nossa segurança, nosso banco, nosso advogado, etc. Temos dado a Deus o que é de Deus? Temos dado a ele, e somente a ele, nossa adoração? Temos glorificado o Senhor pela cura de enfermidades, por livramentos de morte? Temos dado a ele uma fração de nosso tempo para orar, para ler sua Palavra? Nosso dia de descanso é dedicado exclusivamente ao nosso lazer ou entregamos a Ele uma parte desse dia? 

Temos dedicado a Deus nossa obediência, nossa fidelidade? Temos pago a Ele, e somente a Ele, o tributo do nosso louvor? Nossa oração deve ser no sentido de que, quando estivermos diante do Filho de Deus, o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, não sejamos encontrados como sonegadores dos tributos a Ele devidos, mas como fiéis cidadãos do seu Reino, porque do leão do imposto de renda alguns até escapam, mas não do julgamento do Leão de Judá.


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/5-2-2014;

4 de fevereiro de 2014

Fraqueza humana


Por Manoel Jesus The, São Paulo/SP

LEITURA BÍBLICA
"E sucedeu nos dias de Assuero, o Assuero que reinou desde a India até a Etiópia, sobre cento e vinte e sete províncias, Que, naqueles dias, assentando-se o rei Assuero no trono do seu reino, que estava na fortaleza de Susã, No terceiro ano do seu reinado, fez um banquete a todos os seus príncipes e seus servos, estando assim perante ele o poder da Pérsia e Média e os nobres e príncipes das províncias, Para mostrar as riquezas da glória do seu reino, e o esplendor da sua excelente grandeza, por muitos dias, a saber: cento e oitenta dias.
E, acabados aqueles dias, fez o rei um banquete a todo o povo que se achava na fortaleza de Susã, desde o maior até ao menor, por sete dias, no pátio do jardim do palácio real.
E ao sétimo dia, estando já o coração do rei alegre do vinho, mandou a Meumã, Bizta, Harbona, Bigtá, Abagta, Zetar e Carcas, os sete camareiros que serviam na presença do rei Assuero, que introduzissem na presença do rei a rainha Vasti, com a coroa real, para mostrar aos povos e aos príncipes a sua beleza, porque era formosa à vista.
Porém a rainha Vasti recusou vir conforme a palavra do rei, por meio dos camareiros; assim o rei muito se enfureceu, e acendeu nele a sua ira.
Então perguntou o rei aos sábios que entendiam dos tempos (porque assim se tratavam os negócios do rei na presença de todos os que sabiam a lei e o direito;
E os mais chegados a ele eram: Carsena, Setar, Admata, Társis, Meres, Marsena, e Memucã, os sete príncipes dos persas e dos medos, que viam a face do rei, e se assentavam como principais no reino),
O que, segundo a lei, se devia fazer à rainha Vasti, por não ter obedecido ao mandado do rei Assuero, por meio dos camareiros.
Então disse Memucã na presença do rei e dos príncipes: Não somente contra o rei pecou a rainha Vasti, porém também contra todos os príncipes, e contra todos os povos que há em todas as províncias do rei Assuero.
Porque a notícia do que fez a rainha chegará a todas as mulheres, de modo que aos seus olhos desprezarão a seus maridos quando ouvirem dizer: Mandou o rei Assuero que introduzissem à sua presença a rainha Vasti, porém ela não veio.
E neste mesmo dia as senhoras da Pérsia e da Média, ouvindo o que fez a rainha, dirão o mesmo a todos os príncipes do rei; e assim haverá muito desprezo e indignação.
Se bem parecer ao rei, saia da sua parte um edito real, e escreva-se nas leis dos persas e dos medos, e não se revogue, a saber: que Vasti não entre mais na presença do rei Assuero, e o rei dê o reino dela a outra que seja melhor do que ela.
E, ouvindo-se o mandado, que o rei decretará em todo o seu reino (porque é grande), todas as mulheres darão honra a seus maridos, desde a maior até à menor.
E pareceram bem estas palavras aos olhos do rei e dos príncipes; e fez o rei conforme a palavra de Memucã. Então enviou cartas a todas as províncias do rei, a cada província segundo a sua escrita, e a cada povo segundo a sua língua; que cada homem fosse senhor em sua casa, e que se falasse conforme a língua do seu povo." (Ester 1:1-5; 1:10-22)

"Quem vive com Deus não precisa forçar a situação, 
mas ganha uma força que faz bem a todos."

“Este texto é uma comprovação de que em qualquer época o homem é sempre o mesmo. O argumento usado pelos conselheiros do rei Xerxes mostra o egoísmo presente na decisão. Se até os nobres da corte estavam preocupados com a consequência do fato, que se dirá dos simples súditos? Por outro lado, vemos como cometemos julgamento prematuro a respeito de outros. Será que as mulheres do reino não poderiam, individualmente, fazer suas escolhas de conduta no tocante ao marido? É notável como tais nobres legislavam em causa própria. São parecidos com alguns políticos de hoje, que apenas beneficiam aqueles que pertencem ao mesmo partido.

Vejamos também o que pensavam os nobres. A rainha Vasti deveria ser substituída por outra que aceitasse ser mulher-objeto. Peça de admiração que valesse por sua beleza e não pelo caráter. Isso lembra bem os valores dos dias em que vivemos.

Será que somos uma geração mais civilizada? Também há algo invisível aos conselheiros do rei. Se, para ter autoridade em sua casa, os maridos precisassem de um edito real, que líderes fracos seriam! Nem perceberam que o conselho era uma revelação tão vergonhosa para eles. Segundo a Bíblia, a liderança masculina no casamento não se estabelece por meio de ordens, mas por amor à esposa e a Cristo (Ef 5.22-33), e acontece pelo exemplo.

O texto nos mostra que a fraqueza humana é encontrada em todas as gerações. Mas Deus não quer que nos conformemos com isso. Por meio de Cristo, ele oferece seu perdão àqueles que reconhecem sua fraqueza e se arrependem dela. O único modo de libertar-se da necessidade de continuar desobedecendo a Deus é entregando a vida a Cristo, que a torna nova e eterna. Ele transforma não apenas nossa família, mas todos os nossos relacionamentos e valores.


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/4-2-2014;

3 de fevereiro de 2014

Esta é a hora


Por Manoel Jesus The, São Paulo/SP

LEITURA BÍBLICA
"E aconteceu que, ao fim de dois anos inteiros, Faraó sonhou, e eis que estava em pé junto ao rio. E eis que subiam do rio sete vacas, formosas à vista e gordas de carne, e pastavam no prado. E eis que subiam do rio após elas outras sete vacas, feias à vista e magras de carne; e paravam junto às outras vacas na praia do rio. E as vacas feias à vista e magras de carne, comiam as sete vacas formosas à vista e gordas. Então acordou Faraó. Depois dormiu e sonhou outra vez, e eis que brotavam de um mesmo pé sete espigas cheias e boas. E eis que sete espigas miúdas, e queimadas do vento oriental, brotavam após elas. E as espigas miúdas devoravam as sete espigas grandes e cheias. Então acordou Faraó, e eis que era um sonho. E aconteceu que pela manhã o seu espírito perturbou-se, e enviou e chamou todos os adivinhadores do Egito, e todos os seus sábios; e Faraó contou-lhes os seus sonhos, mas ninguém havia que lhos interpretasse. Então falou o copeiro-mor a Faraó, dizendo: Das minhas ofensas me lembro hoje" (Gênesis 49:1-9)

"A melhor hora para arrepender-se e voltar a Deus é agora."

“É bem frequente alguém ter um encontro com Deus e depois afastar-se dele. Quando José interpretou na prisão o sonho do chefe dos copeiros, ele pediu a este que intercedesse por ele, pois era inocente (Gênesis 40.14). 

José confiou que a pessoa beneficiada demonstraria gratidão. Enganou-se. O copeiro viu Deus agir ali, mas depois o esqueceu. É notável como Deus conduz as vidas humanas. Observando toda a história de José, percebe-se que a lembrança da ingratidão do chefe dos copeiros ocorreu por intervenção divina.

Apesar dos sofrimentos de José, Deus estava no controle da situação. Como é bom saber que Deus sempre tem cuidado da nossa vida! O faraó (o rei do Egito) perturbou-se com seu sonho e o chefe dos copeiros sabia o quanto isso era perigoso. 
Um caso semelhante relatado em Daniel 2 mostra o perigo que era contrariar os reis daqueles tempos. Se Daniel não estivesse lá, teria havido um massacre. 
Quando o chefe dos copeiros percebeu que ninguém era capaz de interpretar o sonho, lembrou-se de José e então teve coragem de confessar sua ingratidão até para o faraó. Ainda agiu a tempo, mas não deveríamos esperar Deus agir para confessarmos nossas faltas. 

Se esperarmos, Deus ainda assim agirá, mas para nós isso é perigoso. E se não percebermos a ação de Deus nos chamando ao arrependimento? Quais são, portanto, os tempos de arrependimento? São dois: o primeiro quando nós mesmos percebemos que pecamos; o segundo, quando Deus nos lembra do nosso pecado. Na Bíblia temos vários exemplos de arrependimento adiado, e em nenhum deles o resultado foi bom. 

Um exemplo marcante é o do rico e de Lázaro, contada por Jesus em Lucas 16.19-31. Um dos textos mais enfáticos da Bíblia a respeito disso é Hebreus 4:7, onde lemos: “Se hoje vocês ouvirem a sua voz, não endureçam o coração, como na rebelião”.


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/3-2-2014;

2 de fevereiro de 2014

Lealdade


Por Mariveti Zanoni Kunz, Ijuí/RS

LEITURA BÍBLICA
"E, indo-se o moço, levantou-se Davi do lado do sul, e lançou-se sobre o seu rosto em terra, e inclinou-se três vezes; e beijaram-se um ao outro, e choraram juntos, mas Davi chorou muito mais. E disse Jônatas a Davi: Vai-te em paz; o que nós temos jurado ambos em nome do Senhor, dizendo: O Senhor seja entre mim e ti, e entre a minha descendência e a tua descendência, seja perpetuamente. Então se levantou Davi, e partiu; e Jônatas entrou na cidade." (I Samuel 20:41-43)

"Os amigos são presentes que Deus nos concede 
e devem ser cuidados com todo carinho. "

“Davi teve de fugir muitas vezes do pai de Jônatas, Saul, porque este pretendia matá-lo. Mas ainda assim a história de Jônatas e Davi se destaca pelo exemplo de amizade que deixaram na história. 
O que você seria capaz de fazer em prol de um amigo? Você pode dizer que é leal a seus amigos, qualquer que seja a situação que precise enfrentar? A lealdade é algo que não está na moda atualmente.

Parece que o mundo mostra que é muito mais fácil olhar para si do que fazer algo em favor do próximo ou de um amigo. O exemplo de Davi é muito lindo porque em momento algum ele criticou o pai de Jônatas pela situação vivida. Essa atitude ocorreu porque Davi verdadeiramente respeitava seu amigo e era leal a ele. 

Nem a promessa que Davi recebeu de que seria rei no lugar de Saul ou mesmo a ameaça de morte o fizeram afastar-se ou brigar com seu amigo. Embora Jônatas relutasse em entender que seu pai fosse inimigo de Davi, quando isso ficou confirmado (1Sm 1.20-40) ele aceitou até mesmo ser o segundo no reinado futuro (1Sm 23.16-18), embora isso nunca tenha ocorrido porque Jônatas morreu em batalha.

O texto de hoje relata o último encontro daqueles amigos, uma despedida emocionante em que ambos choraram. O texto diz que Davi chorou muito mais que Jônatas. Possivelmente porque sabia que estava se despedindo de um amigo leal, alguém que, sabendo da verdade, não temeu por sua própria vida nem mesmo diante do rei, seu pai. A palavra de Jônatas deve ter trazido consolo e paz ao coração de Davi: “Vai-te empaz...”. 

Davi foi embora e passou a viver exilado por cerca de dez anos, enquanto seu amigo voltava para casa. Das muitas experiências que Davi teve, não há dúvida que a lealdade desse amigo, filho do rei, foi algo que marcou a sua vida. E você, como tem agido com seus amigos? Que marcas tem deixado nas suas vidas?


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/2-2-2014;

1 de fevereiro de 2014

Corrida


Por Marcos Passig, Lapa/PR

LEITURA BÍBLICA
"Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte;
Para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos.
Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus.
Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim,
Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus." (Filipenses 3:10-14)

"Para vencer não basta iniciar a corrida, é preciso terminá-la."

“Um corredor se destacou nas Olimpíadas de 1968, na cidade do México. Nenhuma pessoa havia terminado a maratona com tanto atraso.  Machucado ao longo do caminho, ele se arrastou para dentro do estádio com o curativo em sua perna cheio de sangue. Chegou mais de uma hora depois do vencedor. 

Quando lhe perguntaram por que continuou a correr apesar de sua dor, ele respondeu: “O meu país não me enviou para a cidade do México para iniciar a corrida. Ele me enviou para terminá-la”.

Quem vive com Cristo também tem uma corrida proposta. Ao longo do percurso podem surgir muitas dificuldades, mas apesar disso é preciso continuar com perseverança, até alcançarmos a linha final. Aos coríntios, o apóstolo Paulo relatou alguns problemas que enfrentou na vida cristã: 
“Cinco vezes recebi dos judeus trinta e nove açoites. Três vezes fui golpeado com varas, uma vez apedrejado, três vezes sofri naufrágio, passei uma noite e um dia exposto à fúria do mar. Estive continuamente viajando de uma parte a outra, enfrentei perigos nos rios, perigos de assaltantes, perigos de meus compatriotas, perigos dos gentios; perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, e perigos dos falsos irmãos. Trabalhei arduamente; muitas vezes fiquei sem dormir, passei fome e sede, e muitas vezes fiquei em jejum; suportei frio e nudez” (2Co 11.24-27). 

Apesar de tudo isso, percebemos em Paulo uma firme convicção da necessidade de continuar correndo em direção à linha de chegada. No texto indicado para o dia de hoje você o encontra afirmando: “Prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus” (v 14). Assim é necessário que encaremos nossa corrida, convictos da necessidade de alcançarmos o alvo que nos é proposto.


Fonte: Presente Diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 17 / coordenador do comitê editorial Roland Körber. São Paulo : Rádio Trans Mundial, 2014. Vários autores http://rtm.radio.br/novo/presente-diario/1-2-2014;

 
Powered by Blogger